Estado acende alerta contra sarampo e recomenda vacinação

7 de julho de 2024 - 12:29

Diante do alerta mundial contra o sarampo e da crescente de casos em vários países, a Secretaria da Saúde (SES) recomenda a vacinação contra a doença, principalmente para quem vai viajar para o exterior. A maior preocupação é com o deslocamento de pessoas em razão da temporada de férias e das Olimpíadas de Paris, que ocorrerão de 26 de julho a 11 de agosto.

Em maio deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou sobre o avanço do sarampo em nível global, apontando que os casos notificados aumentaram 94% em 2024 em relação ao ano anterior.

“Algumas pessoas do Estado irão para os jogos olímpicos ou viajarão para o exterior nas férias. Estamos alertando à população que verifique seus registros vacinais. O sarampo é uma doença que afeta todas as faixas etárias e pode levar à morte. As crianças menores de um ano são as que correm maiores riscos de complicações e evolução a óbito”, afirmou a especialista em Saúde do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Lara Crescente.

A ação mais importante para a proteção de todos é a vacinação. “O vírus do sarampo é extremamente contagioso. A nossa arma é a vacina, que está disponível em todas as unidades de saúde. Quando um adulto se vacina, ele também está protegendo as crianças menores de um ano”, ressaltou.

A vacina é indicada para grupos entre um e 29 anos (duas doses da vacina tríplice viral) e entre 30 e 59 anos (uma dose da vacina tríplice viral). Para estar protegido, quem for viajar deve tomar a vacina até, pelo menos, 15 dias antes de embarcar.

“Há outra questão importante: muitas pessoas não sabem onde está o seu comprovante de vacina e não fazem ideia se foram vacinadas ou não. Se a pessoa não tem nenhum registro ou caderneta de vacina e não teve sarampo na infância, tem de se vacinar também”, explicou Lara.

O Brasil não apresenta casos confirmados desde 2022. No Rio Grande do Sul, os últimos registros ocorreram em abril de 2020. Entretanto, já foram verificados casos importados nesse período. No Estado, em janeiro deste ano, a doença foi diagnosticada em uma criança proveniente de país com circulação do vírus no continente asiático. Nessa ocasião, a SES avaliou a situação vacinal de todos aqueles que tiveram contato com a criança, vacinando-os quando necessário. Desse modo, foi possível evitar a transmissão da doença.

Em 2016, o país chegou a receber o certificado de eliminação da circulação do vírus. Depois, houve um surto na Venezuela. Esse fato, associado às baixas coberturas vacinais, propiciou a reintrodução do vírus no Brasil, o que levou à perda do certificado após um ano de circulação do microrganismo. Agora, o Brasil está em processo de solicitação da recertificação.

Números no exterior

Nos últimos 12 meses, foi registrado grande número de casos na Europa: 5.778. Nesse período, houve 347 registros na França, onde ocorrerão as Olimpíadas 2024. Na América, houve registros em países vizinhos ao Brasil: Argentina, Bolívia e Peru. E, nos Estados Unidos, já há mais de 150 notificações.

Sintomas

Além de febre e manchas avermelhadas (exantema) que começam geralmente na face e vão descendo para o tronco e membros do corpo, a pessoa infectada apresenta sintomas respiratórios, como tosse, coriza e conjuntivite).

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo