Idosa de 74 anos, moradora da Vicentina, precisa provar que está viva para receber o auxílio reconstrução

20 de junho de 2024 - 08:29
Por Sônia Bettinelli

Uma idosa de 74 anos, moradora de um dos bairros de São Leopoldo mais atingidos pela enchente, a Vicentina, está há uma semana tentando provar que está viva e assim receber o auxílio reconstrução de R$ 5,1 mil. Por volta das 23 horas de terça-feira (18), Crislaine Martins, 35 anos, encaminhou mensagem ao site Berlinda pedindo ajuda.

“Boa noite! Desculpe incomodar. Será que vc pode dar uma luz p nós, sobre o auxílio reconstrução. Foi negado porque diz que minha avó está em óbito.  Já fui no Cras,  prefeitura nova, já fui no mutirão da prefeitura velha, fui no cartório e já fiz B.O. Já consultei o CPF dela que está ok. Já vi no aplicativo do INSS e a prova de vida está ok. Já atualizei  no ajuda tche, mas  o cadastro dela não entra em análise de novo pq só da óbito. Ela passou por 4 abrigos no tempo da enchente. Não sei mais o que fazer ou a quem recorrer. Será que vc pode me dar uma luz?”

Crislaine e avó estão numa verdadeira via crúcis para localizar o tal óbito. “Estamos  indo em todos os lugares mas não conseguimos uma explicação e nem como resolver. Fomos no cartório para conferir se alguém tinha feito declaração da morte dela. Não tem nada. Fiz o pedido do auxílio dela no  dia três (3) e dia 14 foi negado com a explicação  que “o responsável familiar possui indicativo de ÓBITO”. Ela (avó) tá triste porque não consegue entender o que está acontecendo assim como eu”, desabafa Crislaine mas diz que não vai desistir enquanto não resolver essa situação.

Crislaine pretende ir no Centro Administrativo nesta quinta-feira (20) quando a Prefeitura terá uma equipe só para atender quem teve o pedido reprovado. Antes porém, Crislaine, mãe atípica, precisa levar o filho Murilo, 4 anos, na fono psicóloga na parte da manhã. “De tarde o Murilo vai com o pai na terapia e eu vou com minha vó mais uma vez em busca de ajuda”, disse.

Após passar por quatro abrigos – Centro de Eventos, Colégio São José, Concórdia e capela católica no Santo André – a idosa está na casa da neta e só poderá ir para sua casa quando portas e janelas forem instaladas e a parte elétrica reformada.

Brasília

Desde terça-feira (18) a reportagem da Berlinda está fazendo contato com Prefeitura, Ministério da Integração Regional, em Brasília, Caixa e Dataprev.  Mas até agora não há uma resposta e explicação lógica para o caso. Hoje seguiremos buscando respostas e assim  garantir que a idosa receba o auxílio para arrumar a casa onde mora há 70 anos.

 

Notícia anterior
Próxima notícia

Comentários

Débora faleiro

Boa noite,sou moradora de novo Hamburgo e me encontro na mesma situação de muitos com problemas no auxílio reconstrução,pois já atualizei os dados no caixa tem ,fui no CRAS liguei na prefeitura e nada meu auxílio continua em análise desde o dia 23 de maio dia que fiz o cadastro on LINE sendo que já tentei contato com a prefeitura para correção e nada. Minha casa ficou 23 dias com água até o forro preciso deste auxílio reconstrução para poder colocar portas na casa e até agora nada me ajuda por favor ,pois se ainda tivesse negado para mim poder refazer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo