LEPTOSPIROSE : Cuidados com a doença com 129 casos confirmados no Estado e cinco (5) óbitos

29 de maio de 2024 - 12:48
Por Sônia Bettinelli/Juliano Palinha

A catástrofe climática que começou há 30 dias na cidade e no RS vai deixando o rastro de destruição e doenças que exigem atenção, cuidado da população e tratamento pela saúde pública. A exposição por semanas na água favorece a proliferação da leptospirose, doença transmitida pela urina do rato e também de cães que tenham sido contaminados pela bactéria. Conforme o painel do Estado, são 129 casos confirmados e cinco (5) óbitos em todo o RS. Não há informação específica sobre as cidades que registram casos e mortes. No Berlinda News Entrevista desta quarta-feira (29), o coordenador da Vigilância em Saúde, veterinário André Ellwanger, orienta que as pessoas redobrem os cuidados em relação a algumas situações e doenças como leptospirose, dengue, contaminação por contato com objetos que ficaram muito tempo submersos  na enchente.

“A leptospirose é uma doença de veiculação hídrica, uma bactéria  transmitida pela urina do rato mas o cachorro contaminado com leptospirose também pode transmitir pela urina. Numa situação como a que estamos vivendo, aumenta a chance de propagação  pela água”, explica André. Confira as orientações:

A leptospirose é uma bactéria penetra no corpo das pessoas de três formas:

  • Por um ferimento;
  • Pela mucosa, por exemplo, um pingo de água que atinge o olho ou a boca;
  • Pessoas que ficam muito tempo expostas à água, a pele fica murcha e a bactéria pode penetrar;

Sintomas da leptospirose

“Dor no corpo, febre, dor na panturrilha que é característica, dor nas costas dorsal. Muito parecido com a leptospirose. Tanto é que hoje a conduta é encaminhar as duas doenças da mesma forma, chegou com sintomas pensa em dengue, pensa em leptospirose. Ter entrado na água é um detalhe importante. Por isso quem está limpando as casas, precisa usar luva, roupa que possa cobrir a pela, óculos, máscara. Se pingou no olho, na boca pode transmitir pela mucosa.”

Úmido e lodo

“A bactéria da leptospirose precisa de lugar úmido e o lodo que fica ainda é lugar para a proliferação da bactéria. A bactéria morre quando tu secar, mas não esqueça do lodo.”

Profilaxia

“Ministério da Saúde e Estado não recomendam a prolifaxia de forma generalizada porque não há estudo cientifico comprovando que usando a profilaxia a pessoa não vai se contaminar. Para quem é de salvamento que ficou muito tempo dentro da água, existe uma brecha dentro da nota técnica, por critério médico, fazer, mas não existe estudo comprobatório”.

Mordeduras de cães e gatos

” Aumentou muito o número de pessoas mordidas por cães e gatos nos abrigos, quem fez o resgate de animais acuados, com medo em meio a enchente. Existem as vacinas antitetânica e a antirrábica tem mais critérios para ser aplicada porque é possível fazer a observação clínica dos cães e gatos. Se por dez dias o animal não apresentar nenhum sintoma neurológico ou não for a óbito, não precisa se preocupar com a raiva. Isso só para cães e gatos porque são animais observáveis. Já se um porco te morder tem que fazer vacina e soro antirrábico.”

Ouça o programa completo

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo