“As prefeituras de São Leopoldo Novo Hamburgo estão muito bem assessoradas tecnicamente”, promotor Ricardo Rodrigues,

12 de maio de 2024 - 12:18
Por Sônia Bettinelli

Especialistas do Instituto Militar de Engenharia (IME), sediado no Rio de Janeiro, após avaliações do dique,  se reuniram no Ministério Público de Novo Hamburgo com técnicos das prefeituras de Novo Hamburgo e São Leopoldo, além de promotores dos MPs de Novo Hamburgo e São Leopoldo, e também do CREA RS e de professores de Engenharia.

Entre os especialistas enviados a NH pelo IME, está a professora de pós-graduação do IME Maria Esther Soares Marques, especialista em Geotecnia e que atuou na empresa que construiu o dique em 1970. O principal assunto foi as melhores alternativas para ações ao lado da Casa de Bombas do bairro Santo Afonso, na parte em que houve ruptura no lado leopoldense do dique.

Conforme a prefeitura de NH, após  contas e análises envolvendo cotas do terreno e das ruas, distância até a Casa de Bombas e necessidade de material, a alternativa proposta em consenso entre todos os técnicos foi aproveitar cotas mais altas de algumas ruas da Vila Palmeira, aterrar partes necessárias na construção de uma rampa para chegar até o dique junto à Casa de Bombas. Com isso, os caminhões viriam carregados de material pela rampa e retornariam vazios pela crista do dique, mantendo a segurança.

Entre as ruas a serem utilizadas estão Leopoldo Wasum e Hugo Erni Feltes. Esta alternativa possibilita retirar as bombas para limpeza e secagem mais rapidamente. E também a construção mais rápida da chamada ensecadeira, estrutura necessária para o conserto do dique. Os técnicos ficaram de levar esta possibilidade para análise dos respectivos prefeitos.

Anotação de Responsabilidade Técnica (ART)

O promotor público, diretor do Ministério Públicos de  São Leopoldo, Ricardo Rodrigues, acompanhou a reunião. “As  prefeituras de SL e NH estão muito bem assessoradas tecnicamente. O trabalho é conjunto, contato ininterrupto de ações e decisões. Sempre é importante lembrar, infelizmente, que estamos numa calamidade por isso os técnicos trabalham com  conhecimento, competência e criatividade técnica na busca de alternativas para colocar em funcionamento o sistema de drenagem da água com segurança”, disse o promotor que falou com a reportagem da Berlinda nesta manhã (12). O promotor falou sobre as Anotações de Responsabilidade (ARTs)  de carreira de todos os servidores técnicos que embasam todas as decisões. A presidente do CREA também acompanhou a reunião a convite do Ministério Público.

 

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo