Estado utiliza drones para localizar desaparecidos em áreas atingidas pelas enchentes

8 de setembro de 2023 - 17:37

Os mecanismos de resposta a desastres naturais estão evoluindo e novas tecnologias podem se tornar ferramentas poderosas para ajudar a salvar vidas. Após o desastre natural que acometeu o Rio Grande do Sul nos últimos dias, forças de resgate estão utilizando drones para tentar localizar pessoas desaparecidas e aumentar as chances de salvamento.

O governo do Estado está empregando todos os esforços e recursos tecnológicos e buscando todo o auxílio necessário, inclusive junto a órgãos federais, para encontrar sobreviventes e potencializar a eficácia das ações de busca. Conforme o último balanço da Defesa Civil estadual, fechado às 12h desta sexta (8/9), há 46 desaparecidos em três municípios gaúchos: 30 em Muçum, 8 em Lajeado e 8 em Arroio do Meio.

Além de drones pertencentes ao governo do Estado, alguns com tecnologia termal, que capta variações de calor e identifica sinais de vida, o trabalho em campo está empregando equipamentos disponibilizados pelo Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MDR).

Vale do Taquari drones
Fotografia realizada por drones do governo federal no Vale do Taquari – Foto: Divulgação Grupo de Apoio a Desastres (Gade)

Os drones do governo federal possuem diversas funcionalidades que vão além de registros fotográficos e estão sendo utilizados como facilitadores das atividades de busca. Essas ferramentas permitem também a localização de corpos, porque captam informações de altimetria (medição de alturas ou de elevações de um determinado terreno) e altitude (medição da distância vertical de um ponto em relação ao nível do mar). Desse modo, com o compilado desses dados, é feito um processamento, tornando possível calcular plano altimétrico (determinando os níveis do terreno), massa, altura e distâncias.

O chefe da Casa Militar e Proteção e Defesa Civil, coronel Luciano Chaves Boeira, ressalta as vantagens desse tipo de aparato. “Os drones são importantes ferramentas utilizadas nas ações de prevenção, preparação e resposta durante as operações de busca e salvamento. Eles possibilitam que as unidades de busca cheguem a locais que estão inacessíveis, oportunizando maior eficácia, precisão e segurança às atividades de socorro, com imagens em tempo real, de forma dinâmica, ágil e eficiente”, destaca.

Vale do Taquari
Registros em plano aberto mensuram áreas afetadas no Vale do Taquari – Foto: Divulgação Grupo de Apoio a Desastres (Gade)

As equipes de resgate estão contando com a ajuda da Defesa Civil Nacional. Na quarta (6/9), chegaram de Brasília quatro integrantes do Grupo de Apoio a Desastres (Gade). Na manhã de quinta (7/9), essa equipe fez uso desses instrumentos em Muçum e Roca Sales para registros fotográficos, além de trabalhos mais específicos em localidades onde há pessoas desaparecidas. Foram feitos registros em plano aberto, para mensurar a área afetada, além de imagens em cima de prédios públicos e residências destruídas.

Os registros são georreferenciados e, desse modo, também podem auxiliar nos planos de trabalho para reconstrução de infraestruturas atingidas e no embasamento de decretos de calamidade pública.

Além de drones, estão sendo utilizadas aeronaves com capacidade de voo noturno. Também deve ter início, nesta sexta (8/9), o emprego de cães de busca, realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar.

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo