Moradora da Feitoria irá para Santa Maria, terça-feira (31), para procedimento de desobstrução da vesícula

26 de janeiro de 2023 - 16:51
Por Sônia Bettinelli

Após 41 dias de internação no Hospital Centenário, terça-feira, dia 31, a moradora da Feitoria Angelita Zambarda Vijalva, 45 anos, será transferida para Santa Maria onde fará o procedimento para desobstruir a vesícula. Conforme a filha Amanda, 22 anos, que irá acompanhar a mãe, a saída está marcada para as 7 horas de terça-feira. “O procedimento será feito na quarta-feira (1) e na quinta-feira (2) retornaremos para São Leopoldo e minha mãe irá direto para o Centenário. Ela terá que fazer cirurgia para retirada da vesícula, que deve ser na semana seguinte”, relata Amanda.

Na terça-feira, 24, o site Berlinda postou a matéria sobre o caso de Angelita que estava internada desde o dia 19 de dezembro sem saber quando e onde faria o procedimento regulado pelo Estado. Desesperada com o caso, Amanda pediu ajuda pelo facebook onde narrou a história e fez um apelo: Não sei mais a quem recorrer, já fomos na prefeitura, uma amiga da mãe que está auxiliando no que pode, e também pedem mais tempo, para poder se organizar. Mas quanto tempo ainda temos? Se alguém souber o que mais posso fazer? Onde mais posso ir? Para qual lado correr? Estou pensando em começar a organizar uma vaquinha para cirurgia.”

Um pouco mais tranquila Amanda diz que não sabe quem conseguiu ou quais pessoas. “Foram tantas pessoas ajudando, muitas ligações para Santa Maria, inclusive da minha mãe que pelo menos agora sabemos que tem uma luz, uma data. Minha mãe melhorou um pouco, está mais animada apesar da longa viagem, de voltar para o hospital e da cirurgia”, diz a filha acrescentando que no Hospital de Canoas, o aparelho usado para desobstrução está quebrado, por isso a necessidade de ir até Santa Maria.

Um ano com diagnóstico de ansiedade

Em fevereiro de 2022 Angelita começou a sentir dores e a percorrer a rede municipal de Saúde. “Ela foi na Ubam , na UPA, Centenário e diziam que era crise de ansiedade. Ela tinha dores, crises e ficava com dificuldade até para respirar. Durante todo esse tempo nunca pediram exames até a internação no dia 19 de dezembro quando a médica que atendeu minha mãe pediu exame e viu qual era o problema”, relata a filha. “Até eu estava achando que era ansiedade”, admite. Enquanto Amanda estiver em Santa Maria, com a mãe, seu filho de 7 anos e os irmãos de 13 e 3 anos ficarão com o irmão maior e à noite com o marido de Amanda.

Saiba mais

O que é a obstrução do duto biliar?
Trata-se do bloqueio dos canais que transportam a bile, impedindo que ela chegue até outro órgão e, consequentemente, impossibilitando sua atuação no processo de digestão. Sendo assim, a parada no fluxo da bile é chamada de colestase. Quando não tratada, essa obstrução pode evoluir e provocar uma ruptura na vesícula biliar ou no próprio duto, levando ao derramamento da bile na cavidade abdominal, provocando um quadro chamado peritonite biliar. (https://gastrobariatrica.com.br)

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo