Eleições 2022 – Secretário de TI do TRE-RS esclarece dúvidas sobre o dia 2 de outubro

22 de setembro de 2022 - 09:40

No programa Berlinda News Entrevista desta quinta-feira (22), a audiência pode esclarecer diversas dúvidas sobre o processo de votação com o secretário de Tecnologia da Informação do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS), Daniel Wobeto.

Veja abaixo um resumo das explicações dadas pelo secretário.

Segurança das Urnas Eletrônicas

De acordo com Wobeto, a carga que é feita nas urnas semanas antes do pleito, é um processo que insere os programas produzidos pelo próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nas urnas. Tudo assinado digitalmente. “A urna reconhece apenas o programa original e somente este que ela aceita. O programa fecha, ou seja, não permite que alguém interfira na urna. Depois deste processo concluído, sinalizamos as caixas das urnas com as seções para iniciar a eleição.”

Assim como existe este processo antes do pleito, existe também toda uma linha de trabalho que é realizado após o pleito, que é a transmissão dos votos para o TSE. Segundo Wobeto, essa transmissão não é feita diretamente da urna. “Cada urna eletrônica tem um pendrive. Expedimos o relatório que é o Boletim de Urna (BU) e deslocamos as pendrivers para o ponto eleitoral de onde são transmitidos os votos para o TSE. Todos esses meios de transmissão são criptografados para que não haja interferências no processo”, explicou.

Boletim de Urna

O Boletim de Urna (BU) é o registro dos votos por seção e o acesso a ele sempre foi público, como esclareceu o secretário de Tecnologia da Informação do TRE-RS. “No final da eleição o BU é exposto em cada seção para as pessoas conferirem e esse ano terá também um QR Code para que as pessoas também possam acessar pelo celular o resultado da seção.”

Ordem de registro da votação

Wobeto alerta os eleitores sobre a ordem de votação nos candidatos. Primeiro, o eleitor deverá registrar o voto para Deputado Federal (quatro números). Depois, a ordem que aparecerá na urna eletrônica será essa: Deputado Estadual (cinco números), Senador (três números), Governador (dois números) e Presidente da República (dois números). “É importante que as pessoas prestem atenção nesta ordem, porque às vezes as pessoas erram a ordem. Se votar na ordem errada e gerar um voto de legenda ou voto nulo, obviamente ela não vai ter votado naquele candidato, porque errou as ordens.”

Uso do celular na seção eleitoral

Conforme o secretário do TRE-RS, desde 2009 que existe a norma proibindo o uso do celular dentro da cabine de votação. A partir deste ano, porém, está proibido levar o celular até a cabine. “Existem pessoas que são ameaçadas por facções criminosas ou até mesmo por candidatos para que gravem com o celular o registro do voto. Então esta determinação do TSE é para proteger essas pessoas. Será possível entrar na seção com o celular para usar o aplicativo e-Título. Depois que o eleitor for identificado pelo mesário na urna, ele vai bloquear o celular e pousá-lo em uma mesa que será usada somente para isso e que ficará localizada de forma estratégica para que ninguém tenha acesso. Em caso de o eleitor não aceitar isolar o celular, o mesário não vai habilitá-lo a votar e vai convidá-lo a sair da seção. Agora, se essa pessoa se recusar, será chamada a segurança policial, mas esperamos que isso não seja necessário.”

Documentos para votar

O brasileiro pode votar apresentando qualquer documento oficial com foto, como a Carteira de Identidade, o passaporte ou a Carteira Nacional de Habilitação. Mas como o eleitor consegue saber onde deve votar? Para isso, o TSE disponibiliza gratuitamente o aplicativo e-Título que pode ser baixado em qualquer celular. “A pessoa também pode apresentar o e-Título ao mesário, mas junto deve ter em mãos um documento oficial com foto. O uso do aplicativo é importante para que as pessoas saibam o local de votação, ou seja, facilita para o eleitor. Para o mesário é indiferente se o eleitor apresentar o título em papel ou no app.”

Biometria

De acordo com Wobeto, 77% dos brasileiros já fizeram o cadastro biométrico, ou seja, já registraram a digital no sistema do TSE. 22%, porém, não realizaram a biometria. Em função disso, o TSE fez um convênio com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) que importou dados das carteiras de motoristas. “Isso significa que, no dia do pleito, parte desses 22% terão a digital cadastrada na urna eletrônica. Cartazes informativos serão instalados nas seções e os mesários também estão orientados para que os eleitores não fiquem desconfiados e nem se assustem. Foi feito isso para facilitar a vida de todos. Já quem não fez o cadastro biométrico e nem tem carteira de motorista, votará apresentando o documento.”

Resultado

Em todo o País, a votação será encerrada às 17 horas (horário de Brasília), mesmo com a diferença de fuso horário em alguns Estados. Para isso, esses locais darão início ao pleito mais cedo. A determinação do TSE é justamente para que a contagem dos votos ocorra no mesmo horário em todos os Estados. Com isso, Wobeto acredita que a partir das 17h30 já tenha alguma informação sobre a contagem. “O resultado final da votação, acreditamos que será divulgado a partir das 20 horas.”

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo