“O carro-chefe é a repactuação do Hospital Centenário com o Estado”, Gabriel Dias

9 de agosto de 2022 - 13:12
Por Sônia Bettinelli

Eleito vereador pelo Cidadania em 2020, agora o advogado Gabriel Dias divide o tempo entre o mandato na Câmara de Vereadores de São Leopoldo com a pré-campanha para deputado estadual, projeto em andamento desde o ingresso no Legislativo. Independente do resultado de 2 de outubro, Gabriel Dias antecipa. “Já disse para meu grupo, assumi o compromisso de não ser um eterno vereador. Tenho profissão, estou vereador, não sou carreirista e defendo a oxigenação, inclusive a nossa porque o político eleito precisa fazer uma entrega para a sociedade. Se tu for sempre vereador, estará fazendo mais por ti do que para a sociedade”, destacou Gabriel Dias no Berlinda Entrevista de hoje (9).

Assim como faz na tribuna do Legislativo, a melhoria, o avanço e a inovação na saúde serão prioridade. “Claro que com a visão de deputado, meu carro-chefe será a repactuação do Hospital Centenário. Com a série histórica de atendimentos e procedimentos vou mostrar para o Estado que o Centenário é a referência para várias cidades e por isso precisa de mais recursos. Foi assim que o deputado Gabriel Souza, agora candidato a vice-governador, fez com o Hospital de Tramandaí. Isso é ter um deputado lá para brigar, buscar e lutar para trazer recursos para o Centenário”, diz Gabriel.

“Serei deputado por São Leopoldo e pela região”

“Outras cidades tem a capacidade de se organizar e ter um deputado e aqui a gente acaba se dividindo. Como deputado, irei no governador que for eleito, estarei lá para defender recursos para o nosso hospital. Não quero saber qual é partido de quem está no Piratini. Eu quero recursos”.

“Seria 24 a 26”

“Perdemos R$ 110 milhões para a conclusão da obra da BR-116 por um voto. No plenário a votação foi 25 a 25 e o presidente votou contra o recurso que o Estado daria para o governo federal para essa obra. Um deputado de São Leopoldo lá, o placar seria de 24 a 26 e com isso ficaremos sem a obra e sem o dinheiro.”

Caixinha ideológica

“Ser de centro direita ou centro de esquerda é se posicionar. Sempre digo que não me coloco na caixinha ideológica, que defende só o lado a ou lado b. A polarização só é boa para quem está nessa condição, assim não se fala de projeto. Com a polarização se fala sobre tudo, menos sobre projeto. Como deputado, independente de quem ganhar vou buscar os recursos. A polarização só ajuda quem está e faz a polarização”.

Ouça o programa completo

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo