MUDANÇA CLIMÁTICA: SL faz inventário sobre o que a cidade emite de gases de efeito estufa

2 de junho de 2022 - 16:10
Por Sônia Bettinelli

Em 2019, o setor de transportes de São Leopoldo, especificamente de veículos movidos a diesel, emitiu a maior quantidade de gases de efeito estufa, ou seja, as substâncias atmosféricas que causam o aquecimento global. Esse é um dos dados do Inventário de Gases de Efeito Estufa de São Leopoldo, produzido por seis (6) técnicos  entre servidores do quadro da Prefeitura e pesquisadores da Unisinos. O consumo de combustíveis, energia elétrica e a geração de resíduos sólidos, integram o documento  que será apresentado no  1° Seminário Internacional de Mudanças Climáticas, nos dias 5,6 e 7 de julho, no auditório Padre Werner da Unisinos, com apoio da Unisinos e do Iclei ( Governos Locais pela Sustentabilidade)

“Quando falamos em mudanças ou emergência climática é no sentido de  pensar global e agir local. Por isso instituímos o inventário de gases de efeito estufa, uma espécie de diagnóstico das emissões, onde elas ocorrem e qual a sua quantidade. Além do inventário, apresentaremos no seminário , a legislação de benefício tributário, a formalização do processo de contratação da Unisinos e o plano de ação climático”, anunciou o titular da Semmam Anderson Eter, hoje (2) no Berlinda News Entrevista.

Legislação 

Sobre a legislação, Anderson destaca que o objetivo “será  de fomentar medidas que preservem, protejam e recuperem o meio ambiente, com vistas à mitigação das mudanças climáticas ofertando em contrapartida benefício tributário ao contribuinte”, destaca.

Software de Monitoramento

Conforme o secretário Anderson, em breve, haverá um  software de Monitoramento Assíncrono de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Ainda não há data definida. “Será por meio de plataforma digital, de livre acesso aos munícipes, possibilitando a visualização das informações sobre o monitoramento das emissões do efeito estufa”. afirma.

Observatório ambiental

Conforme Éverson Gardel de Melo, engenheiro mecânico e mestre  em Engenharia Civil na área de Gerenciamento de Resíduos, que coordena o Observatório Ambiental, no Parque Imperatriz, o próximo passo  é  Plano Local de Ação Climática que estabelecerá diretrizes para neutralizarmos as emissões apontadas no inventário. “Com as diretrizes serão elaborados  programas, projetos, políticas públicas que atendam a necessidade de tornar a cidade neutra em emissões de gases do efeito estufa (GEE)”, destaca.

Parque  Imperatriz: Captura e  fixação de carbono

Gardel chama atenção para um aspecto importante e positivo do plano de ação climática. “O Parque  Imperatriz e os demais parques da cidade fazem o trabalho de captura e fixação de carbono, que na prática equilibram com parte dos aspectos negativos do inventário”.

Ouça o programa na íntegra

.

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo