Três anos depois o Banco de Material de Construção saiu do papel rumo à Casa de Pedra, na Duque

10 de fevereiro de 2022 - 11:38
Por Sônia Bettinelli

O Banco de Materiais de Construção de São Leopoldo, hoje lei nº 9.523, está saindo do papel para a prática. A próxima etapa é a promulgação e regulamentação da lei pelo Executivo. Aprovado em dezembro, por unanimidade, o projeto de autoria do vereador Lemos (PSB), começou a ser idealizado e construído há três anos pela ONG Engenheiros pela Comunidade da Unisinos, junto com lideranças comunitárias. The game works on Android as https://casinodulacleamy.com/ well as iOS. No Berlinda News Entrevista de hoje (10), o líder comunitário e morador da Ocupação Justo, Fábio Simplício; o diretor da ONG, Naiton Gama; o vereador Lemos (PSB) e o advogado e assessor Willian Tiago, explicaram o projeto  sancionado pelo prefeito Ary Vanazzi (PT), dia 3.

“É uma conquista para a cidade que só teremos noção do tamanho dela para a comunidade leopoldense e para o meio ambiente daqui há três ou quatro anos quando a gente ousar e fazer esse banco acontecer como foi idealizado. Isso nasceu na equipe Missão Por Moradia Digna nas Ocupações Urbanas de SL e pela Unisinos.” (Naiton Gama)

“Há muitos anos as pessoa me pediam ajuda sobre casa queimada e outros coisas semelhantes. Desde o início do mandato procurava projetos onde o Poder Público tivesse um projeto para ajudar. E no dia 2 de maio, o gabinete participou da plenária por meio da Rejane (jornalista), a convite do Naiton. Ai foi fantástico. O vereador tem que fiscalizar e apresentar projetos. Conversamos com o Naiton e aí formou com meu desejo de muitos anos.” (vereador Lemos/PSB)

“Sou morador da Ocupação Justo, que tem cerca de 8 mil pessoas, morando em casas ou barracas. Mas conheço todas as ocupações e de toda a cidade, as regiões mais vulneráveis. Não foi fácil vencer algumas barreiras na própria comunidade por poucas pessoas que fizerem força para que o projeto não saísse do papel, inclusive procurando vereadores para que não votassem favorável. Graças a Deus aprovação foi unânime. Mas agora temos muito trabalho pela frente. “ (Fábio Simplício)

“Esse projeto passou por umas quatro fases e a mais difícil foi  a aprovação.  Escrevi o projeto e encaminhei para o Naiton. Ele (Naiton) revisou  praticamente todo e disse o que era preciso mudar porque é assim que funciona. O vereador, o gabinete faz essa parte mas é quem está no projeto, é a comunidade que sabe o que precisa e como isso deve ser implementado, regulamentado.” (Willian Tiago).

Como será o acesso ao banco

  • Individualmente não é possível requisitar o material;
  • A pessoa deve apresentar comprovante de quitação eleitoral;
  • Estar inscrito no cadastro único;
  • Ter o encaminhamento de assistente social do CRAS, Habitação ou parecer da Defesa Civil;
  • Organizações comunitárias podem requisitar, porém é necessário comprovar no mínimo de três (3) a cinco (5) anos de atuação.

Como e quem pode doar

  • Pessoas físicas  e empresas devem fazer contato com a ONG Engenheiros pela Comunidade:
  • contato@esf-unisinos.org
  • whatsApp – (51) 99525-4872

Casa de Pedra na Duque

O banco de material de construção vai funcionar na antiga Casa de Pedra, na Duque, espaço concedido pela Prefeitura à ONG Engenheiro pela Comunidade. “Não será depósito de lixo como alguns maldosos espalharam. Estará lá o material e o espaço  vai abrigar  projetos de educação, de cidadania, pilares da sociedade”, explica Naiton.

Ouça abaixo a entrevista completa

 

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo