A “frente popular/2022” vai ganhando forma em São Leopoldo e no RS

24 de novembro de 2021 - 20:49
Por Sônia Bettinelli

Separados por algumas quadras Manuela  d’Ávila (PCdoB) e Beto Albuquerque (PSB) cumpriram agendas hoje (24) à noite em São Leopoldo, tendo como pauta oficial seus livros,  Sempre Foi Sobre Nós” e “Liberdade, Igualdade, Humanidade – São também nossas façanhas?”, respectivamente Manuela e Beto.

Na prática política, é o movimento para construção de alianças para 2022, lembrando a frente popular de eleições anteriores. O tema dos livros também é spoiler do palanque do próximo ano  com críticas ao atual governo federal e seus coligados. Em meio às agendas, as conversas em pequenas rodas foram muito além da pauta literária. No Teatro Municipal, Manuela foi recepcionada pela vereadora Ana Affonso (PT) e muitas mulheres de comunidades, entidades ativistas da defesa e empoderamento das mulheres.

No Bonna Pasta, antes da  abertura do 16° Café com Poesia, Beto Albuquerque conversou separadamente com o vereador Lemos (PSB) e com Diego Specht, presidente do PSB. O assunto é a articulação do partido local visando à eleição de 2022, motivo da presença de Albuquerque no sétimo andar com o prefeito Vanazzi.

Também de tarde, Albuquerque se reuniu com o diretor do Semae, o vice-prefeito Ary Moura, com o vereador Rafa Souza e com o secretário Thiago Gomes. O assunto foi o mesmo: eleição 2022.

“Irreversível”

Beto Albuquerque disse à coluna que sua pré-candidatura ao Piratini é irreversível. “Tenho o apoio do PT nacional”, comentou. E sobre o PDT, a conversa está avançada visto que Romildo Bolzan, nome do PDT ao Piratini, caiu nas apostas exatamente porque o Grêmio, do qual é presidente, nesse momento não é Juliano Palinha boa referência de gestão.

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo