POR CÍNTIA MACIEL: Criança tem sentimento, sim!

7 de novembro de 2021 - 12:30
Por Cíntia Maciel

Por que é importante nomear as emoções?

Na teoria…
Estudos das Neurociências apontam que, para o pleno desenvolvimento da criança, nos diferentes espaços pelos quais circula, além das competências cognitivas, devem ser trabahadas também as competências socioemocionais ou não cognitivas.
Saber identificar e lidar com as emoções: raiva, alegria, tristeza, frustração e outras tantas, é primordial para o processo de desenvolvimento saudável e integral das crianças.
Conversar sobre esses sentimentos pode encorajar a criança a expressar suas próprias emoções.
As que entendem suas emoções são menos propensas a agir com ataques de raiva e agressões, por exemplo. Conseguem, ainda, resolver seus conflitos de forma mais pacífica do que uma criança que não consegue se expressar.

“O ‘tum tum’ do meu coração está doendo, mãe!”

Na prática…
Você também é do grupo que acha que as crianças não conseguem identificar suas emoções e sentimentos?
Pois bem! Elas têm sentimentos, sim. E, detalhe: sabem expressar suas emoções, e muitas vezes, com mais facilidade que um adulto.
Se ficam chateadas, choram.
Felizes, sorriem.
Angustiadas, pedem “abrigo”.
(E por aí vai…)
Vale salientar também que ignorá-las ou minimizar essas reações pode trazer danos irreparáveis e irreversíveis, psicologicamente falando.
Nós, adultos, estamos no automático e temos a resposta pronta para toda e qualquer situação que diz respeito à essa faixa etária:
“Isso é bobagem! É coisa de criança!”.
Lamentável! Porque o universo infantil é único e particular.
Desmerecer tais comportamentos nos torna “pequenos”; não na estatura, mas na nossa própria capacidade de tornarmo-nos grandes.
O “tum tum” desses genuínos coraçõezinhos não pode doer. Nunca! Em tempos nenhum.
Pensemos com a pureza de uma criança antes de responder aquilo que não teremos condições de dar um suporte psicológico…
Os tempos são outros. Mas o respeito para com o próximo tem a mesma regra desde os primórdios:
“O que eu não quero para mim, não faço para o outro!”

Notícia anterior
Próxima notícia

Comentários

Maria de Lurdes Pinto

Perfeito Cíntia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo