PEDAGOGIA DA OPRESSÃO

4 de novembro de 2021 - 12:47
Por Vereador Lemos (PSB)

Quase um ano depois das eleições municipais, tivemos nossa primeira experiência de peso, propriamente dita, no Legislativo. E considerações podem ser feitas.

Aos olhos de muitos cidadãos ser vereador é um prestígio ou um demérito, afinal todos os políticos ganham milhares de reais e não fazem nada.

Primeiro, numa disputa eleitoral o partido e o candidato devem fazer uma opção difícil: escolher com qual candidato à majoritária devem se aliar. Momento crucial para definir, pois o sucesso de um bom mandato é estar junto ao prefeito em questão para poder atender as demandas depois de eleito. Afinal, seus eleitores, ou não, irão, fatalmente, bater na porta do gabinete para solicitá-las.

No caso de o candidato eleito pelo povo e o prefeito da aliança estarem juntos, a situação passa da expectativa da vitória para a expectativa da realização dos projetos políticos. E investir em políticas públicas para o seu povo é o objetivo. O candidato é eleito pelo povo e o seu prefeito também, agora é só arregaçar as mangas e trabalhar para o povo.

Lamentável: o candidato eleito que almeja tais realizações não passa de um idealista. Na verdade, no dia a dia dos agentes políticos do Legislativo e Executivo, o cenário é o inverso.

A opressão daquele que tem o poder maior, o prefeito, subjuga e corrompe o candidato eleito ao seu bel-prazer, pois deve cumprir com as promessas de cargos. Ao menos no Legislativo municipal não se tem uma instituição independente. Não passa de idealismo, de teoria, nós, o povo, votarmos naqueles que acreditamos para nos representar.

O mecanismo da política brasileira funciona dessa maneira: o vereador eleito deixa de representar o papel a que foi confiado pelo povo, se corrompendo por cargos políticos para que o governo municipal possa realizar suas manobras, comprando autorização do Legislativo para que este seja o seu fiador nos projetos que, muitas vezes, sequer interessam ou convêm ao povo.

Se o vereador aliado ousar votar diferente, por ser melhor para o povo, fazer do seu mandato o que é melhor para o povo, a aliança que foi firmada na campanha eleitoral, antes da vitória, não vale mais nada. Se o vereador escolher votar a favor do povo o governo o  coloca na guilhotina. A triste realidade sempre foi assim e está longe de mudar. No final, porém, acreditamos que o bem vence o mal e quem tem caráter e essência não deve esquecer dos motivos que o colocaram em um cargo político representando seu povo.

Todos nós queremos uma saúde de qualidade, um ensino e educação por excelência, trabalhos e salários mais dignos. Desejamos uma sociedade melhor, com mais oportunidades. Mas, lembra-te, a crise pública não tem um nome como dizem por aí. A crise pública tem uma explicação clara: o político que se corrompe ao bel-prazer dos seus interesses particulares.

Alessandro Camilo, Lemos, é vereador pelo PSB de São Leopoldo e líder comunitário.

Os artigos publicados no site Berlinda são de responsabilidade do autor.

Notícia anterior
Próxima notícia

Comentários

Andreia Bones

Boa Tarde !! Nosso vereador Lemos está de Parabéns!
Pois tudo o que ele falou em fazer está cumprindo só não está fazendo mais porque não deixam , fico Feliz em vê que meu foto não foi jogado fora !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo