Piso nacional do magistério deve ter reajuste de 31,3% em janeiro e chegar a R$ 3.789,63

28 de setembro de 2021 - 08:40

Se não forem alterados os critérios de correção, como quer a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o piso nacional do magistério terá reajuste de 31,3% em janeiro de 2022 e passará para R$ 3.789,63. Esse valor é baseado na portaria número 8, dos Ministérios da Educação e da Economia, datada de 24 de setembro de 2021, que estabelece os parâmetros anuais de referência do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A portaria define o Valor Anual Total por Aluno, que é o indicador usado como referência para a correção do piso desde a sua criação.

A publicação da portaria confirmou o temor dos prefeitos, de um reajuste superior a 30%, considerado “insuportável” pelo presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Em nota divulgada nesta segunda-feira (27), a entidade expressa “sua profunda preocupação com a gestão da educação no Brasil”. A confederação calcula que um reajuste de 31,3% terá impacto superior a R$ 28 bilhões nas contas das prefeituras, valor que Ziulkoski considera impagável.

Conforme a colunista Rosane de Oliveira, da GZH, nos 497 municípios do Rio Grande do Sul, o impacto anual do novo piso seria de R$ 1,76 bilhão. Para o governo do Estado, cujo plano de carreira é escalonado a partir do piso, o custo da correção de 31,3% seria próximo de R$ 1,3 bilhão, conforme estimativa da Secretaria da Fazenda. No orçamento encaminhado à Assembleia para 2022, não há previsão de reajuste.

Para evitar esse impacto, os prefeitos vão tentar, no Congresso, a aprovação de um projeto que altera o critério de correção do piso. Em vez do custo/aluno do Fundeb, o projeto prevê correção pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

 

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo