Projeto do Executivo para reduzir pagamento de RPVs afeta diretamente servidores municipais de São Leopoldo

14 de setembro de 2021 - 18:16
Por Sônia Bettinelli

O projeto da Prefeitura de São Leopoldo propondo alteração na lei Nº 6.659/2008, que significa reduzir de 10 para seis salários mínimos o valor de Requisições de Pequeno Valor, RPVs, sem esperar por precatórios, provocou reação contrária imediata dentro e fora da Câmara de Vereadores.

Pelo projeto do Executivo, acima de seis salários mínimos, vai para precatório cujo significado é  o reconhecimento de uma dívida judicial dos governos Municipal, Estadual ou Federal. Porém não estabelece data para pagamento.

Os vereadores Gabriel Dias (Cidadania), Falcão (MDB), Ceprol e ABA, cada um a seu modo, se mobilizam primeiro para retirar a matéria da pauta de quinta-feira (16); segundo para fazer com que o Executivo reavalie a medida  que afetará muitos servidores municipais com ações judiciais.

Justificativa do Executivo

…”devido a mudança econômica no país, que decorreu desde a criação da Lei Municipal nº 6.659/2008, até os dias atuais, e a enorme demanda de processos judiciais nos últimos anos de
situações não previstas em todas as esferas da administração municipal, fez com que as RPVs atingissem um valor total alarmante…”diz a mensagem do governo enviada ao Legislativo ontem (13).

Vereador Gabriel Dias (Cidadania)

Em suas redes sociais, o vereador Gabriel Dias comunicou os servidores alertando sobre a matéria, afirmando que isto contraria o STF que estabeleceu o mínimo de 10 salários mínimos para RPVs. “Pressionei e hoje o Executivo apresentou um substitutivo aumentando para seis salários mínimos. Apresentei duas emendas: uma para que a nova lei não se aplique a processos ajuizados até a data de entrada em vigência da nova lei e outra para que não se aplique a Requisições de até 10 salários mínimos já inscritas”, defende o vereador acrescenta que junto com os vereadores Falcão (MDB), Hitler Pederssetti (DEM), e Brasil Oliveira (PSD) querem uma audiência pública sobre o assunto.

Ceprol pede a retirada do projeto da pauta

Em visita à presidente do Legislativo, Ana Affonso (PT), a direção do Ceprol entregou ofício com o seguinte teor.”…Nessa senda, acolher o presente processo sem o debate necessário é aceitar a retirada imediata da possibilidade de recebimento de um valor que não é vultoso aos cofres públicos, porém de grande valia aos parcos salários ora percebidos pelo professor…Assim, requer o CEPROL – SINDICATO DOS PROFESSORES MUNICIPAIS LEOPOLDENSES que seja recebido o presente ofício, positivando a contrariedade da categoria frente ao Projeto de Lei que reduz os valores de RPVs, requerendo que o mesmo seja retirado de pauta.”

 

ABA pede vota contra ao projeto

Em nota técnica, a Associação Brasileira dos Advogados (ABA), por meio das diretorias do RS e de São Leopoldo, apresentam o embasamento contra a alteração da lei, pedindo ao final, que os vereadores de São Leopoldo votem contra a matéria.

 

 

O site Berlinda aguarda manifestação da chefia de gabinete do prefeito Ary Vanazzi e também encaminhou mensagem à assessoria da presidente da Câmara de Vereadores, Ana Affonso (PT), sobre o pedido do Ceprol, de retirar a pauta da sessão de quinta-feira.

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo