O que que há? É TDAH? (A mente humana para e se questiona, mas a verdade nunca vem à tona!)

29 de agosto de 2021 - 08:38
Por Cíntia Maciel

A Neuropsicopedagogia é uma ciência ainda nova que está em ascensão devido à necessidade de se compreender melhor como se processa a aprendizagem no cérebro humano. Vale destacar que a neurociência (leia-se aqui: neurônios e suas moléculas constituintes, órgãos do sistema nervoso e suas funções específicas) vem dando importantes contribuições para o melhor desenvolvimento dos processos cognitivos, uma vez que o cérebro é a matéria-prima para o sucesso da aprendizagem.

Detalhando…

A Neuropsicopedagogia:

– é uma ciência que estuda o sistema nervoso (e suas funções) e como ele atua nas diversas formas de aprender;

– possui dois campos de atuação: o campo clínico e o campo institucional;

– são norteadores os documentos vigentes por normativas estabelecidas pela Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia (SBNPp);

– auxilia os profissionais a entenderem os indivíduos e os ajudarem a enfrentar suas dificuldades, diminuindo o fracasso escolar e social desses sujeitos.

Pois bem! Da teoria à prática: Como aplicar os conceitos no processo de ensino-aprendizagem? Como fazer o aluno aprender?

Subsidiar as dificuldades apresentadas pelo aprendente através da percepção das habilidades que se destacam em cada sujeito, incentivando-o a se desenvolver suas potencialidades. Desse modo, utilizando as ferramentas e os mecanismos adequados, pode-se transformar a realidade atual.

UM OLHAR DIFERENCIADO

Uma criança ao nascer não está programada para viver em sociedade: não sabe falar, andar, ir ao banheiro ou usar as técnicas para sua subsistência e proteção. É necessário, antes, ensiná-la. Ninguém nasce pronto. Aliás, nunca estaremos. O processo de desenvolvimento humano é contínuo.
Uns aprendem de um jeito, enquanto os demais absorvem o conhecimento sob uma ótica diferente.

Sem rotular, passamos a entender o funcionamento do aluno e as demandas que ele traz. O rótulo dificulta uma parte importante na efetividade desse processo de construção. Os diagnósticos devem, sobretudo, dar subsídios fidedignos aos encaminhamentos necessários.

Utilizar de recursos estimulantes fortalecem os vínculos professor x aluno e a possibilidade de sucesso na mediação do saber e do saber fazer.

Taxar a criança como “bagunceira” ou “preguiçosa” não a incentiva, não a faz crescer cognitivamente.

Às vezes, ajustar a maneira de olhar para esse sujeito em construção é o ideal. Crianças com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade), por exemplo, necessitam de um processo investigativo, que não esteja no automático, mas sim, personalizado. Cada um é um e traz consigo suas especificidades, suas particularidades.

Seguindo na busca por atender o aluno da forma mais assertiva possível, é prudente conhecer e reconhecer os pontos fortes e fracos, as facilidades e as dificuldades, e os desafios que o aprendente enfrenta.
Cada um tem seu ritmo. E o mediador desse processo deve fazer uso das melhores intervenções.
Nosso papel é acreditar nas crianças e fazer com que elas também acreditem.

“Gosto de ser gente porque, mesmo sabendo que as condições materiais, econômicas, sociais, políticas, culturais e ideológicas em que nos achamos geram quase sempre barreiras de difícil superação para o cumprimento de nossa tarefa histórica de mudar o mundo, sei também que os obstáculos não se eternizam.”

(Paulo Freire)
💙

Da série: InquietAÇÕES

Notícia anterior
Próxima notícia

Comentários

Valter José Maciel

Ótimo artigo. Linguagem acessível.
Parabéns!

Maria de Lurdes Pinto

Como sempre Cíntia, línguagem esclarecedora!
Obrigada!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo