Em apenas um dia 1.426 doses são aplicadas em São Leopoldo

30 de março de 2021 - 08:05

Nesta segunda-feira (29), São Leopoldo deu início à vacinação dos idosos com idade igual ou acima dos 70 anos. A novidade é que, a partir desta etapa, a campanha passou a contar com cinco pontos de vacinação decentralizados. São Leopoldo chegou assim a maior número de imunizações em um único dia: 1426 doses aplicadas. No total, a soma chega a 21.756 doses, entre primeira e segunda dose das vacinas. Amanhã, a idade abrange a faixa etária partir dos 69 anos.

Além da aplicação das doses realizadas no drive trhu do Largo Rui Porto, para idosos que vão de carro, na antiga sede da Unisinos e da Unidade Móvel, a imunização contra a covid-19 ganhou o reforço de quatro escolas: Álvaro Nunes, Paul Harris, Castro Alves e Emílio Meyer e também da Associação Meninos e Meninas de Progresso (Ammep).

A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria da Saúde (Semsad) e a Secretaria de Educação (Smed). “A ideia foi decentralizar a vacina, pegando os bairros principais, um em cada ponto da cidade para colocar a vacinação mais próxima da população. A parceria amplia os pontos, em espaços mais amplos, com pátio e é uma forma de não levar a vacinação para dentro das Unidades de Saúde, que são locais apertados e não teriam condições de receber todas as pessoas”, explicou coordenadora de imunizações Karen Carvalho.

 

Escola Emílio Meyer

Na Emef Emílio Meyer, pela manhã, a fila já contava com dezenas de pessoas antes mesmo dos portões abrirem. A aspoentada Arminda Nunes da Silva, de 71 anos, residente do bairro Campestre, levou até uma cadeira para aguardar e foi uma das primeiras idosas a receber a dose. “Quando cheguei aqui os portões nem tinham aberto ainda, cheguei cedo para garantir minha imunização. Fiquei sabendo através dos meus familiares e meu genro me trouxe. Há um tempo tive contato com um familiar que havia testado positivo, mas meu teste deu negativo, a gente fica com medo, por isso é um alívio estar aqui sendo vacinada”, destacou.

Quem também chegou cedo para a vacinação foi Cecília Vieira da Silva, de 70 anos, que comentou sobre a facilidade no acesso ao local de vacinação e mais agilidade. “Cheguei antes das 8h, sou moradora do bairro São Geraldo, aqui perto. Achei a iniciativa, das vacinas nas escolas, muito boa e de mais fácil acesso porque não é preciso ir até o centro, eu que dependo de ônibus ia ter que sair mais cedo ainda de casa, iria demorar um pouco mais”, salientou.

 

Vila Brás e Vicentina

Os moradores do bairro Santos Dumont buscaram a sede da Associação Meninos e Meninas de Progresso (Ammep). Foi o caso da dona Zaneida de Oliveira, 70 anos. “Me sinto muito bem vacinada, tanto depois da gripe comum como da covid, nunca deixei de me vacinar”. Sobre a importância da vacina, a aposentada deu um testemunho pessoal. “A gente está comunicando as pessoas conhecidas os parentes pra fazer a vacina, minha irmã que está muito mal no hospital não fez a vacina pois está internada, vai fazer depois, ou lá no hospital, ela está intubada, meu cunhado faleceu desta doença, mas não tinha sido vacinado ainda, a vacina não tinha chegado, o resto da minha família está se preparando que estão na idade”.

Moradora do bairro Vicentina, dona Ione da Silva Costa optou pela Escola Castro Alves e saiu feliz com a oportunidade de se imunizar perto de casa. “Está sendo difícil pra mim e pra todos, financeiramente um pouco difícil, mais psicologicamente, pois não sabemos o dia de amanhã, agora veio essa vacina pra dar um alivio pra gente, então eu acho que vai melhorar tenho esperança que vai melhorar”, ressaltou.

 

 

Notícia anterior
Próxima notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escute a rádio ao vivo